Esta semana a noivinha (agora já casada) Helena, me mandou um texto muito, mas muito inspirador! Se você quiser ler na integra e entender de onde veio o entusiasmo pra esse post é só clicar aqui., chama-se Há vida através das lentes? Mas vou resumir bem rapidinho: O texto fala sobre como “ter que fotografar” pode atrapalhar a gente de viver a vida. Calma, eu explico melhor :-) Existe lembrança mais valiosa do que uma foto? Sim, a própria lembrança, ora :)
Quantas vezes você foi a um casamento, por exemplo, e ficou com a sua câmera digital preparada pra clicar a sua amiga noiva entrando, o bolo lindo, as roupas das suas amigas, a maquiagem que vocês fizeram… etc?
E quantas vezes você foi lá e olhou sua amiga noiva entrando, percebeu o sorriso nervoso, os olhos brilhando, se arrepiou junto? Curtiu a música, dançou, comeu, bebeu, se divertiu?
Eu fiquei pensando nisso e descobri que as fotos que eu mais gosto minhas são de quando eu era criança. Meus pais sempre gostaram muito de clicar a gente brincando na piscina, andando de bicicleta, correndo… eu era muito tímida, nem olhava pra câmera. Mas eu tenho lembranças maravilhosas quando vejo uma foto dessas.

Na primeira foto minha irmã está na frente, com o curativo na testa depois de ter caído na escada da casa da Vó Olga. Na segunda foto meu irmão, minha irmã e eu, brincando na piscina no quintal de casa.
Ao mesmo tempo existem fotos que precisam ser feitas para que a gente nunca se esqueça daquele momento na vida, daquelas pessoas.
Uma foto de família por exemplo, tem um valor imenso! Nunca deixe de fotografar os pais, os avós, os filhos.

A primeira foto na frente da casa de praia da minha tia, com meus avós e primos… (eu sou a primeira da esquerda de baixo com cara de assustada e moleton da Hello kitty). A segunda foto é no mesmo lugar, em outro dia, eu, minha mãe e meus irmãos… ah… me lembro… da minha tia querida e do meu avô que já não estão mais aqui, de jogar vôlei com os primos e tios na grama cheia de espinhos, brincar de acampamento com as cadeiras da sala e depois largar tudo e correr pro mar, de brincar de massagista enquanto lambuzávamos as nossas mães com creme e elas davam aquelas risadas altas que só elas tem, dormir atravessado nos colchões em 4 primos, do ventilador minúsculo que pegou fogo no meio da noite (não era bem fogo, foi só um foguinho né…) e todo mundo saiu gritando do quarto das “crianças” enquanto a Elis (minha irmã) resmungava “ah, deixa eu dormir!” Lembro do meu avô mentir que comia tatuíras e ver todos os netos correrem pra areia procurando tatuíras pro vô comer (hahaha ninguém mandou mentir, né?)
Aí me pergunto: mas ninguém tirou foto disso? Dos acampamentos? Dos cremes? Das tatuíras? Poxa! :(
Claro, sabe por quê? Estávamos vivendo!
É aí que eu quero chegar!
De que adianta você organizar um super casório, cheio de protocolos, detalhes, hora certa pra isso, hora praquilo… foto posada com um, com outro, e mais outro… e no final de tudo dizer “como passou rápido, nem vi” ?
As fotos posadas são importantes sim! Separe 10 minutos para fotos posadas com os avós, pais e padrinhos. Porém, nosso objetivo maior não são essas fotos. São as lembranças que você pode ter se estiver realmente vivendo!
Quando você contrata um fotógrafo, se está confiante com o trabalho dele, relaxe!
Vá lá, case, beije, curta, abrace, sorria! Não se preocupe com as fotos, se preocupe em viver!
Deixa que a gente clica :)

A própria Helena me disse “Vocês tiram fotos para a gente mostrar pros filhos, netos…. Mas enquanto isso, a gente só precisa se preocupar em curtir o momento”

A Helena curtiu muito! Quer ver como dá certo?

Nós, fotojornalistas, estamos lá para contar uma história e pra isso, só é preciso deixar fluir, deixar a história acontecer :)

Postado em


Comente




19 responses to “Se preocupe em viver!”

  1. João Caetano says:

    Muito bom, Marina!! Demais! Eu sou meio assim (levo a câmera, mas esqueço de tirar as fotos porque fico aproveitando o momento)!

  2. Cali says:

    Marina ,além de fotografar maravilhosamente bem , seus textos são ótimos.
    Meus parabéns !!
    Tio Cali

  3. Claudia Blosfeld says:

    Só sinto que vc ainda era tão pequena quando eu casei e não pude contar com um trabalho de fotografia deste nível!

  4. carminha says:

    Me emocionei. Seu relato fez com que estes momentos de família VIVIDOS INTENSAMENTE e registrados no álbum da vida, ligasse o botãozinho da saudade. E saudade só se tem de coisas boas.
    beijo
    Tia Car

  5. Arquiteta Elis says:

    Ai… chorei. Lindo o que vc escreveu, Ma!
    Parabéns pelas histórias que vocês contam através de fotos maravilhosas!
    Beijo

  6. Carla says:

    Você escreveu exatamente o que eu penso sobre fotos, adorei.

  7. Thais says:

    Eu li ontem esse post ainda quentinho, recem saído do forno!! :D
    Mas vou comentar só agora.. Assim como a Elis, eu também chorei!! Gente… viver é EMOCIONANTE!! E é ainda mais gostoso quando quem registra tudo isso, faz com carinho, com a emoção como se fosse ELA PROPRIA vivendo aquele momento… É isso que eu sinto quando trabalho… por isso choro nas edições de vídeo!! hahaha.. E tenho CERTEZA que é isso que vocês sentem quando estão conhecendo o cliente, fotografando o evento, editando as fotos… aiai… Como é bom viver, né? :)

  8. Julise says:

    Quase chorei olhandos as fotos e repassando o resumo do texto. Realmente, fotos "espotâneas" como diz a minha irmã (que adora fotografia também) são as melhores! Você não lembra da FOTO e sim daquele momento, o que aconteceu, quem estava ali. Adoro fotos assim. E mais uma vez, parabéns pelo trabalho. Gosto muito das fotos de vocês, são para guardar momentos mesmo, e não poses. :)

  9. Ademir E. Freiberger says:

    Má! Você consegue me surpreender sempre, maravilha gostei muito, como é bom sentir o quanto você gosta do seu trabalho, parabéns!
    Beijos Filha!

  10. Juliana says:

    Parabéns pelo texto e pelas fotos!
    Tive oportunidade de participar dos veraneios na linda casa de Itapema, fui algumas vezes com a Caro, e era realmente o máximo. Uma família maravilhosa vcs têm! Unida e feliz, dessas famílias que dá vontade de ter igual! Parabéns pelo trabalho, as fotos estão belíssimas, carregadas de emoção!
    Um abraço com muita admiração
    Juliana Hauffe Rodrigues

  11. Carol says:

    Oi Má =)

    Ameei seu post!!! Muito verdadeiro tudo o que disse.
    Você transmite muito amor e respeito nas palavras
    e em suas fotos. Parabéns e que Deus te abençoe..
    No mundo de hoje, pessoas assim tá difícil de achar.
    Beijos,

    Carol

  12. Ana Correa says:

    Oi Má! Que lindo! Eu e a Gê estávamos lendo em voz alta aqui no escritorio sua historia e da Helena. E me veio logo na cabeça tudo o que você disse. Ainda mais que voltei de ferias, agora, e teve lugares que eu fiz questao de não levar a camera, justamente para conseguir sentir o lugar, sem me preocupar com o angulo ou a luz perfeita. Eu queria era VIVER! E tambem passo isso para minhas noivinhas… Obrigada por dividir esse assunto com tanta delicadeza e perspicácia. Obrigada mesmo!!!
    Grande beijo e nem preciso te desejar muito sucesso na sua vida… Isso você já tá tendo, e é merito da sua dedicacao e olhar apuradíssimo. Grande beijo…

  13. Maria says:

    Lendo seus textos (muito bem escritos, por sinal) é nítido que o talento vai além das câmeras e fotos!!

    Sucesso à vocês!! :)

    ps.: tem coisa melhor que revirar aquela caixa de fotos antigas??muito bem descrito!!

  14. Nani says:

    O trabalho de fotojornalismo teu e do Anderson são maravilhosos. O Casamento e a emoção da família da Helena estao registrados.
    A historia, bem… tive que engolir a lagrima, da saudade daquele tempo tão especial. Escreva um livro, sobre as historias destes casamentos. Vai ficar maravilhoso. (tuas palavras contam muito bem a emoção de cada união.
    beijos

  15. Leleca says:

    Oooon, que graça de post, Ma! Eu me lembro de alguém falando que a gente se acostumou tanto com câmera digital e a possibilidade de fazer um trilhão de fotos que acaba vendo as coisas pelo enquadramento da câmera – e há tanto mais que isso naquele momento! Eu só queria lembrar quem foi que disse, porque era um estudo sério a respeito, hehehehehe! Exemplos clássicos disso são vistos em shows, quando tem gente que perde a chance de pular e esgoelar a música favorita pra fazer uma foto (pode isso?) e em viagens (especialmente em city tour, já percebeu? Turista quer fotografar o máximo e esquece de prestar atenção nos pormenores enquanto ainda tá lá…).
    E tem mais uma coisa, né? Às vezes a lembrança é ainda mais bonita que a foto. Tipo quando você pensa no ex-namorado e, quando olha a foto dele, percebe que ele nem era tão bonito quanto você lembrava, hahahahaha!
    Eu bem que queria ter você e Anderson a tiracolo fazendo um milhão de fotos, especialmente agora com Alice. São tantos momentos em que eu penso "putz, isso daria uma foto linda" e não tenho coragem de parar de olhar a pequena pra procurar a câmera… :D
    Parabéns pelo trabalho lindo, pelo texto delícia e pela chance de deixar a gente ver você pitiquinha! Beijão!
    (e desculpaê o comentário gigante!)

  16. Daniel Hamud says:

    Nina, MARAVILHOSO o seu topico.
    Isso me fez pensar o seguinte, como com tanta tecnologia, filmagens, câmeras digitais, câmeras no celular…e ainda assim um álbum diz muito mais que tudo isso, quando feito por profissionais que transcendem o simples enquadramento. As memórias são reativadas mais facilmente por imagens, e quando vejo as fotos que fazem sinto mais do imagens, sinto uma visão pessoal de cada fotografo do casamento, onde os detalhes fazem toda diferença. Então o grande lance é que sinto a junção de imagem com sentimento e isso ativa a memória mais facilmente. Deve ser este o motivo de até hoje não substituírem o álbum de casamento por arquivos de computador. Uma pena que não casarei, mas contrataria e indicarei vocês sempre que possível. Parabéns pelo trabalho e mais uma vez parabéns pelo post.
    Uma breve visao Psicologica da Fotografia que fazem rsrsrsrs

  17. Nice says:

    Sou tua fã!

  18. Gabriel Freiberger says:

    Que paralelo bem traçado. Parabéns!
    Um beijo do teu irmão.

  19. Denise says:

    Sempre olhos seus trabalhos, pq sinto nas fotos, uma emoção muito bem representada … e gostei do texto, é bem isso que penso, gosto de fotos que aparecem detalhes que não eram para aparecer, e que viram motivos de assuntos ( nas fotos que a gente tira em casa) gosto de fotos com emoção (nas fotos que vc tira), e não, de fotos " quadradinhas" que chega a secar os dentes enquanto espera o flash da máquina… o mais lindo, é como vc escreveu, ter um momento e lembrar dele com saudades…Parabéns.

Leave a Reply

Theme por Claudio Garcia Meliess.com - todos direitos reservados